Cirurgia de Catarata

Se chegou até aqui, muito provavelmente você, um familiar ou amigo próximo teve um diagnóstico recente de catarata ou teve um procedimento cirúrgico de catarata indicado pelo seu médico.

O que preciso saber antes da cirurgia de catarata?

Separamos para você algumas informações e dúvidas frequentes em nosso consultório e listamos abaixo.

Você sabe o que é a catarata?

O termo “catarata” é dado para qualquer tipo de perda de transparência do cristalino, lente situada atrás da íris, seja ela congênita ou adquirida, independente de causar ou não prejuízos à visão.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a catarata é responsável por 47,8% dos casos de cegueira no mundo, acometendo principalmente a população idosa.

A catarata é uma doença multifatorial e pode ser congênita ou adquirida.

A causa mais comum da catarata é o envelhecimento do cristalino que ocorre pela idade. Porém também poderá estar associada a alterações metabólicas que ocorrem em certas doenças sistêmicas, (ex. Diabetes Mellitus), oculares (ex. uveíte), tabagismo, alcoolismo, secundária ao uso de certos medicamentos (ex. corticoides) ou a trauma ocular.

Na maioria das vezes a catarata não pode ser diagnosticada a olho nu e nem mesmo é percebida facilmente pelos próprios portadores da catarata nas suas fases iniciais.

Quais os sintomas causados pela catarata?

Os principais sintomas da catarata são: sensação de visão embaçada, alteração contínua da refração (grau dos óculos), maior sensibilidade à luz, espalhamento dos reflexos ao redor das luzes e percepção que as cores estão desbotadas. Geralmente há uma piora da miopia com redução da visão em baixo contraste e baixa luminosidade principalmente para longe, comparativamente à visão para perto.

Somente o oftalmologista poderá solicitar os exames necessários para a confirmação do diagnóstico, bem como, indicar o melhor procedimento cirúrgico para tratamento.

Outras dúvidas frequentes sobre a cirurgia de catarata
Na técnica cirúrgica antiga, denominada extracapsular, em que se removia a catarata sem fragmentá-la, havia o consenso de se aguardar a catarata evoluir (amadurecer) para se indicar a cirurgia, pois o procedimento era mais invasivo e sua recuperação mais prolongada, com maiores riscos para o paciente. Com o advento da facoemulsificação, houve uma mudança nesta abordagem, evitando-se que a catarata chegue a um estado muito avançado, pois a sua rigidez dificultará a sua aspiração, aumentando o risco de complicações cirúrgicas e o tempo de recuperação pós-operatório. A indicação mais frequente da cirurgia de catarata é o desejo, por parte do paciente, de enxergar melhor. Entretanto, em determinadas circunstâncias, pode ser necessário partir do oftalmologista a indicação, visando tratar ou evitar complicações decorrentes da presença do cristalino opaco e/ou de volume aumentado, ou ainda para possibilitar a avaliação e tratamento de doenças da retina e do nervo óptico.
Basicamente, a cirurgia consiste na retirada do cristalino que sofreu processo de opacificação (técnica chamada de facoemulsificação) e na substituição deste através do implante de uma lente intraocular. Com o avanço da medicina e da tecnologia, já existem lentes intraoculares dobráveis, que permitem que a cirurgia seja realizada através de incisões muito pequenas, com uma recuperação pós operatória mais rápida. O oftalmologista indicará a melhor lente intraocular, que se adeque à necessidade do paciente. O procedimento é feito com anestesia local, com uma leve sedação e é acompanhado por um médico anestesista até o seu término.

Em geral, a cirurgia de catarata tende a demorar cerca de 30 minutos, tempo que pode variar de acordo com o estágio da doença.

Pacientes com caso de catarata avançada normalmente têm um tempo maior de cirurgia.

O tempo total de recuperação da cirurgia e de uso de medicamentos pós operatórios é de aproximadamente 1 mês, onde o paciente usará colírios antibióticos e antiinflamatórios.

Nas duas primeiras semanas de pós operatório, o paciente será acompanhado pelo oftalmologista, que irá orientar e analisar o período de adaptação da visão com a lente intraocular.

Os principais cuidados são em relação a não pegar peso, não dormir do lado do olho operado, e de higiene, principalmente das mãos. No mais, não existem grandes limitações no pós operatório.

QUAIS OS RESULTADOS ESPERADOS?

A percepção de melhora da visão após a cirurgia de catarata é relativa e vai depender de cada caso.

A cirurgia tem como objetivo recuperar a transparência visual que havia sido perdida com a opacidade provocada pela catarata.

Na última consulta pós operatória, será feita uma avaliação final onde será verificada a necessidade do uso de óculos.

Com o avanço da técnica de facoemulsificação (técnica de cirurgia utilizada atualmente), houve um grande ganho não apenas no tempo cirúrgico e no tempo de recuperação, mas principalmente em relação à segurança do procedimento.

Embora a cirurgia de catarata não seja um procedimento simples (engana-se quem fala ou ouve isso por aí), hoje é considerada extremamente segura, desde que seja realizada seguindo todas as normas e padrões de prevenção de complicações cirúrgicas e infecções.

Trata-se de um procedimento microscópico de alta complexidade, muito seguro, porém, como qualquer procedimento invasivo, não é isento de riscos. A tecnologia atual e a experiência do cirurgião reduzem significamente esse risco. A saúde geral e ocular do paciente, bem como sua história familiar, são fatores que influenciam diretamente o resultado cirúrgico. Além disso, é fundamental que o paciente siga as orientações pré e pós operatórias de seu oftalmologista.