Rua Barão do Monte Alto, n° 144 - Salas 407 a 409

Edifício Prata. Bairro Centro – Muriaé MG

(32) 3722-2764

O glaucoma não tem cura, mas tem tratamento.

Compartilhe esta postagem com um amigo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

O objetivo do tratamento no glaucoma é reduzir a pressão intraocular para evitar ou retardar a progressão da doença, e isso pode ser obtido com o tratamento clínico (uso dos colírios), tratamento a laser e o tratamento cirúrgico. O tipo de tratamento vai depender de cada caso, levando em consideração o tipo de glaucoma, a gravidade e o estágio da doença.

A maioria dos casos de glaucoma pode ser controlado com um ou mais colírios. Mas algumas pessoas podem necessitar de cirurgia para reduzir a pressão intraocular (PIO) a níveis mais seguros, melhorando o escoamento ou drenagem de fluidos. Ocasionalmente, a cirurgia pode eliminar a necessidade de medicamentos de glaucoma. No entanto, o paciente pode continuar usando colírios, mesmo depois de ter feito uma cirurgia de glaucoma.

Tratamento Clínico: Colírios hipotensores.

Os colírios utilizados no tratamento do glaucoma são divididos em quatro classes: Betabloqueadores, inibidores da anidrase carbônica, os alfa-agonistas e os análogos de prostaglandinas.
Estes medicamentos atuam basicamente na diminuição da produção e/ou na drenagem de líquido ocular. Embora os colírios sejam os mais utilizados, alguns desses medicamentos são encontrados também na forma de comprimidos, que também podem ser prescritos pelo médico em casos selecionados, quando os colírios não controlam suficientemente a pressão intraocular.

Tratamento a Laser: Trabeculoplastia a laser, Iridotomia a laser

Alguns estudos recentes indicam que um procedimento a laser conhecido como trabeculoplastia seletiva a laser (SLT) pode ser tão eficaz quanto os colírios para diminuir a pressão ocular interna. Esta cirurgia a laser pode ser considerada um tratamento primário, especialmente para pessoas que têm dificuldade para cumprir o cronograma rigoroso e regular necessário para administração dos colírios.
• Trabeculoplastia a laser
Para aumentar a saída de fluido interna do olho, o oftalmologista realiza a trabeculoplastia a laser com um laser que cria pequenos buracos no ângulo de filtração do olho, em que a córnea e a íris se encontram. Um procedimento mais recente, a trabeculoplastia seletiva a laser, cria dano térmico mínimo ao tecido adjacente, o que geralmente significa que o procedimento pode ser repetido com segurança. A trabeculoplastia a laser é normalmente realizada como um adjuvante para a terapia de uso contínuo de colírios.
• Iridotomia e Iridectomia
A iridotomia com Yag laser é uma perfuração na periferia da íris que tem como objetivo permitir a passagem direta do humor aquoso da câmara posterior para a câmara anterior. Está indicada em glaucomas de ângulo estreito, nos quais o humor aquoso fica retido na câmara posterior favorecendo o bloqueio do sistema de drenagem pela íris. É um procedimento rápido, indolor, executado com YAG laser.

Tratamento Cirúrgico: Cirurgias minimamente invasivas; Cirurgias fistulizantes

A principal cirurgia realizada para o tratamento do glaucoma é a trabeculectomia. Ela consiste na criação de um novo canal para o escoamento do líquido intraocular para o espaço subconjuntival. Através desse novo canal, o líquido passa de dentro do olho por uma janela na esclera (parte branca dos olhos) até uma bolsa filtrante onde será reabsorvido.

As taxas de sucesso, em média, ficam ao redor de 80% ao final de um ano. O sucesso nesse caso significa conseguir manter a pressão ocular controlada adequadamente. Os resultados podem variar muito para cada paciente de acordo com fatores como a idade, tipo de glaucoma, cirurgias prévias e os cuidados pós-operatórios influenciam muito no resultado cirúrgico.

A redução da pressão intraocular com a trabeculectomia geralmente é a melhor que se pode alcançar e ainda apresenta menos flutuações. E para manter as taxas baixas, podem ser necessárias várias intervenções no pós-operatório, tanto precoce como tardio.

Outras técnicas de cirurgias antiglaucomatosas podem ser indicadas, como a esclerectomia profunda não penetrante, implantes valvulares, cirurgia ciclo-destrutiva e as técnicas cirúrgicas minimamente invasivas chamadas MIGS (Micro Incisional Glaucoma Surgery).

Dr. Bruno Sá Antunes de Souza
CRM 77831 – RQE: 43384
Médico Oftalmologista
Especialista em Catarata e Glaucoma

Deixe um comentário

Assine a nossa newsletter